Quinteto Abanã - Oxum




1. Ária de Oxum (letra Bruno Gavranic - composição Giovani Di Ganzá - Inspirada no ponto de Oxum Nação Keto)

2. Oro omi ma (Domínio Público)

Negravat - Voz
Giovani Di Ganzá - Violão
Renato Antunes - Violoncelo
João Nascimento - Percussão
Douglas Lima - Flauta

Gravado e produzido no Estúdio 185
Câmera: Jeannine Gentile
Edição: Jeannine Gentile
Direção: Beto Mendonça

Quinteto Abanã (2011)



Quinteto Abanã é um projeto musical que investiga e pesquisa as canções extraídas das manifestações populares brasileiras de matriz africana, por meio de arranjos autorais e de domínio público que misturam o popular com o erudito. O grupo se propõe a criar releituras deste legado ancestral, composições que resgatam músicas de terreiros tradicionais dos povos yorubá, banto, keto e angola.

Negravat: Soprano
Di ganzá: Violão e Violino
João Nascimento: Percussão
Douglas Lima: Flauta transversal e piccolo
Renato Antunes: Violoncelo


Tracklist
01 - Ária de Oxum
02 - Caboclinho
03 - Oxum
04 - Obaluayê
05 - Tupinambá

Núcleo Bartolomeu de Depoimentos - 'Orfeu Mestiço - Uma Hip-Hópera Brasileira'


A oitava montagem do grupo Bartolomeu de Depoimentos pretende unir o teatro épico brechtiano aos elementos da cultural hip-hop.

A peça tem como personagem principal um político voltando às suas origens, atrelado à ditadura militar. A realidade, a memória e o imaginário se misturam.

Texto e Direção: Claudia Schapira
Atores-MCs: Cristiano Meirelles, Daniele Evelise, Eugênio Lima, Luaa Gabanini, Ricardo Leite e
Roberta Estrela D’Alva
Músicos-Ogãs: Alan Gonçalves, Cassio Martins, Eugênio Lima e grupo Treme Terra: Bruna Braga, Bruna Maria, Daniel Laino, Giovani Di Ganzá, João Nascimento e Lígia Nicacio

Núcleo Bartolomeu de Depoimentos


Caxeiras do Divino da Casa Fanti Ashanti: Canto do Divino


Vinheta Canto do Divino

Canto do Divino

(Composição: João Nascimento)
Interpretação: Caxeiras do Divino da Casa Fanti Ashanti

Violibeca: Di ganzá

Canto do Divino no 4shared

Indicação ao Prêmio Femsa Coca Cola 2011 - Música Originalmente Composta


Abaixo veja as categorias indicadas para a Yorubópera Logun Edé.


Autor de Texto Original
Fernanda Maia, por "Canção de Amor em Rosa"
Bruno Gavranic, por "Logun-Edé - Uma pequena Yorubópera"
Paulo Rogério Lopes, por "O Tribunal de Salomão e o Julgamento das Meias Verdades Inteiras"


Direção
Dagoberto Feliz, por "Logun-Edé - Uma pequena Yorubópera"
Cuca Bolaffi, por "O Tribunal de Salomão e o Julgamento das Meias Verdades Inteiras"
Carla Candiotto, por "Histórias por Telefone"
Rosi Campos, por "O Fantasma da Máscara"

Música Originalmente Composta
Girlei Miranda, Helena Castro, Cristina Bosch, Simone Grande, Danielle Barros e Fabiane Camargo, por "Pedro Palerma e outras Histórias"
Giovani Di Ganzá, por "Logun-Edé - Uma pequena Yorubópera"
Dr. Morris, por "O Tribunal de Salomão e o Julgamento das Meias Verdades Inteiras"
Pedro Paulo Bogossian, por "A Cortina da Babá"

Melhor Atriz
Mawusi Tulani, por "Logun-Edé - Uma pequena Yorubópera"
Bruna Longo, por "Cada Qual no seu Barril"
Eloisa Elena, por "O Tribunal de Salomão e o Julgamento das Meias Verdades Inteiras"
Paula Weinfeld, por "Histórias por Telefone"

Revelação
Claus Xavier, ator, por "Logun-Edé, Uma pequena Yorubópera"
Carlos Alberto Júnior, ator, por "Logun-Edé - Uma pequena Yorubópera"
Marcelo Paixão, ator, por "A Cortina da Babá"

Categoria Especial
Grupo Morpheus, pela manipulação de bonecos em "Pés Descalços"
Mira Haar, pela direção de arte em "Histórias por Telefone"
Espetáculo "Cada Qual em seu Barril", pela adaptação da linguagem de desenho animado para o teatro
Grupo Pé de Moleque, pela fusão da ópera e cultura afro-brasileira em "Logun-Edé - Uma pequena Yorubópera"

Melhor Espetáculo Jovem
"Canção de Amor em Rosa"
"Logun-Edé - Uma pequena Yorubópera"
"O Tribunal de Salomão e o Julgamento das Meias Verdades Inteiras"

Clarianas - A burca

“Burca”, a forte letra de Naruna Costa, é interpretada por ela mesma, acompanhada de Naloana Lima e Martinha Soares.
"As meninas quebraram tudo" - disse Nêgro Lima no dia seguinte à passagem das Clarianas pelo Estúdio 1dasul. Ora, além de lindas e simpáticas, são atrizes / cantoras / ativistas extremamente talentosas! Fazem parte do Grupo Clariô de Teatro. Participações nas Vozes e Percussão Corporal: Zinho e Manoel Trindade, Cláudio Oliveira, Dj Dri; Rabeca: Di Ganzá.

Clarianas no 4shared

Grupo clariô - Urubú come carniça e voa

SINOPSE / RELEESE
URUBÚ COME CARNIÇA E VOA!
UMA PONTE ATÉ MIRÓ.
Escritos crônicos e retratos da vida de um poeta pernambucano, negro, oriundo de MURIBECA, bairro periférico, que leva o mesmo nome do lixão em torno do qual o conjunto habitacional onde mora foi construído.
João Flávio Cordeiro, o MIRÓ DE MURIBECA, faz da poesia a maneira mais concreta de responder a violência sofrida e observada por ele cotidianamente.
Um artista intenso, crônico por natureza que, além dos escritos, traz no corpo e na palavra dita, uma visceralidade peculiar, que propõe novos olhares para um lugar onde “um sujeito pode bater no outro, só porque ele deu um riso!”, mas que, recheado de seu “alegrismo poético”, é capaz de colorir a tragédia e alçar vôos de celebração à vida.
Uma ponte, uma travessia até Miró, é o que o novo espetáculo do grupo Clariô propõe. Atravessando a palavra do poeta de corpo e órgãos, descobrindo musicalidades e gestos que traduzam/dialoguem seus ditos tão urbanos e sertanejos.
“URUBÚ COME CARNIÇA E VÔA!” é o que nos clariô nestinstante como chuva fina ao sol.

FICHA TÉCNICA:
Escritos crônicos: Miró de Muribeca
Direção : Mário Pazini
Atores/criadores:
Alexandre Souza, Diego Avelino,Martinha Soares, Naloana Lima e Naruna Costa.
Ator Convidado: Washington Gabriel
Dramaturgia: Grupo Clariô de Teatro
Assessoria dramatúrgica: Will Damas

TRILHA DA PEÇA:
Composição: Di ganzá e Naruna Costa
Interpretação: Orquestra de Caboclos

Grupo Clariô

Yorubópera Logun Edé






Logun-Edé – Um pequena Yorubópera é o novo projeto do Grupo Pé de Moleque. Trata-se de uma ópera que conta e canta a história do orixá Logun-Edé, …filho de Oxum e Oxóssi.

Grupo Pé de Moleque
Bruno Gavranic - libreto
Di ganzá - Composição e Direção Musical
Felipe Candido - Figurino
Mawusi Tulani - Produção
Direção Geral: Dagoberto Feliz

Elenco: Mawusi Tulani, Carlos Alberto Júnior , Clauxs Xavier, Graciela Soares, Leonardo Devitto, Nilcéia Vicente e Jane Fernandes

Orquestra: André Fabiano, Éder Francisco, João Nascimento, Juliana Najú e Renato Isaque

Treme Terra - Cultura de Resistência from Instituto Nação on Vimeo.



Show de lançamento do espetáculo Cultura de Resistência do grupo Treme Terra. Aconteceu em 23 de novembro de 2010 na Sala Olido, em São Paulo.

Participações especiais de Dinho Nascimento, Nasi, Johnny Boy, Gaspar Z'África brasil, Eugênio Lima e Hélio Nogueira. (Cássio Martins: baixo elétrico e Giovani Di ganzá: violão)

Di ganzá: Afro-erudito (demo)



Algumas gravações realizadas na Usp para a trilha do Curta "Jennyfer" de Renato Cândido, e outras gravações por ai...

Afro-erudito no 4shared

Duo Abanã - Quinteto



Apresentação do Duo Abanã (projeto quinteto) no CCJ:

Vanessa Teixeira- Soprano
Giovani Di Ganzá - Arranjos, Composições e Alfaia
João Nascimento - Percussão
André Fabiano - Flauta Transversal
Renato Antunes - Violoncelo

Instituto Nação

Cultura de Resistência from Instituto Nação on Vimeo.



Instituto Nação é uma organização sem fins lucrativos, que tem a missão de fomentar a diversidade cultural como ferramenta de transformação social, criada para dar suporte a uma série de iniciativas educacionais que começaram a ser desenvolvidas em 2006 no Morro do Querosene, bairro da Cidade de São Paulo. Atualmente, as principais atividades do Instituto são os projetos Afrobase, Escola do Samba, Cultura de Resistência e Treme Terra.
Esse video mostra um pouco do processo de gravação do Albúm do Treme Terra, no video eu participo tocando "Violibeca" pras Caixeiras do Divino, numa composição de João Nascimento.

Duo Abanã - Canto Lírico de Orixás



O Duo Abanã é formado pelo Violonista Giovanni Di ganzá e pela Cantora Lírica Vanessa Teixeira, músicos de formação erudita que pesquisam autores e composições da nossa música de raiz popular e também da nossa musica afro-brasileira. Nesse Cd demo "Canto Lírico de Orixás" o trabalho do Duo investiga a musicalidade afro-brasileira, baseando-se principalmente nos pesquisadores Mário de Andrade e Oneyda Alvarenga que foram os primeiros musicólogos-folcloristas do Brasil.


Integrantes:

Giovani Di ganzá: Violão e arranjos
Vanessa Teixeira: Cantora Lírica

Duo Abanã no 4 shared

Tembuá




Técnicas Estudos de Matrizes Brasileiras e União Africana - Tembua é um grupo de dança afro que reune os elementos e ritos africanos para fomentar seus espetáculos. A poesia, a música, ornamentações, mensagens para reflexão são parte da linguagem do Tembua nos espetáculos. Esse grupo foi criado e é coordenado por Inajá Tembua.

Orquestra de Caboclos



Grupo musical paulista que surge do encontro de músicos participantes do Centro de Aperfeiçoamento Teatral e Musical para Atores da Cooperativa Paulista de Teatro. Formado por Adriana Mello (flauta), Giovani Di Ganzá (violão, rabeca e flauta), João Rocha (cavaco, violão e flauta), João Nascimento (bateria, percussão e cavaco), Luciano Mendes (percussão), Luis Vitor Maia (contrabaixo). Esse combo de musicos populares e eruditos, tem o gosto pela musica do Brasil. Nascido a partir de experimentações nos ensaios, o grupo apresenta cocos, cirandas, sambas entre outro gêneros com linguagem contemporânea.

Acesse o blog Orquestra de Caboclos

MEA - Musica Experimental afro-brasileira



Investigando a historia musical brasileira, inevitavelmente esbarramos nas tradições e costumes dos povos africanos, povos constituintes da cultura brasileira. Nessa perspectiva criamos o projeto MEA, destinado a experimentação dos gêneros musicais africanos no Brasil sob uma roupagem ocidental de musica popular e erudita.
No site abaixo MEA interpreta ponteio afro, composição de Di ganzá.

Di ganzá: violão
Aguinaldo Gomes: Sax

Acesse o Myspace do MEA

Yorubópera Logun Edé




Logun-Edé – Um pequena Yorubópera Para Crianças é o novo projeto do Grupo Pé de Moleque. Trata-se de uma ópera que conta e canta a história do orixá Logun-Edé, …filho de Oxum e Oxóssi.

Leitura Dramática:

LOGUN-EDÉ – UMA PEQUENA YORUBÓPERA PARA CRIANÇAS

Grupo Pé de Moleque

Bruno Gavranic – texto;
Di ganzá – Composição e Direção Musical;
Felipe Candido – Figurino;
Mawusi Tulani – Preparação de Elenco
Direção Geral: Dagoberto Feliz

Com: Carlos Alberto Júnior , Clauxs Xavier, Gra Soares, Leonardo Devitto, Nilcéia Vicente, Jane Fernandes, Vanessa Teixeira

Instrumentistas: André Fabiano (flauta), Cassiano sampaio (violoncelo), Di ganzá (violão), João nascimento (percussão) e Juliana silva najú (percussão)

Ndimba





Ndimba é o duo formado por Gra Soares e Di ganzá, onde se dedicam à pesquisa e interpretação de “Vissungos”, que em etnografia, se refere à música de caráter responsorial praticada por africanos em regime de escravidão utilizados nas lavras de diamantes e ouro na região compreendida, entre outras, pelas periferias das cidades brasileiras de Diamantina, São João da Chapada e Serro, no estado de Minas Gerais.Tal música era entoada raramente em português, prevalecendo línguas e dialetos africanos, principalmente o kimbundo e o Nbundo (chamadas de língua benguela pela população local) e relacionadas a idiomas até hoje falados na atual República Popular de Angola.

Gra soares: cantora
Di ganzá: Violonista

Acesse o myspace Ndimba

Suburbaque



"Suburbaque", é um grupo de percussão que pesquisa e representa o Maracatu de Baque Virado. Grupo batizado no dia 18 de Abril de 2009 no colégio Coronel Almeida.
O grupo é de Mogi das Cruzes.

Site do Suburbaque

Grupo Batakerê






O espetáculo Ritmos e Danças é baseado no trabalho de pesquisa do grupo, com elementos da cultura popular brasileira, principalmente as influencias da cultura
africana e indígena. Em 40 minutos de apresentação o espetáculo passa pelas diversas linguagens artísticas como: capoeira, maculelê, dança – afro, samba de roda, coco de roda, cavalo marinho, caboclinho, puxada de rede, percussão corporal, dança de rua, acrobacias, dança contemporânea e canto, tudo isso de uma forma integrada.

O grupo foi fundado pelo capoeirista e percussionista Pedro Peu.

acesse o site do Batakerê

Duo Abanã - Casas das Rosas



Recital do Duo Abanã na Casa das Rosas dia 20/10/2010
Canto lírico de Orixás

Soprano: Vanessa Teixeira
Violão: Di ganzá
Djembe: João Nascimento

Filmagem: Renato Cândido

Quarteto Ganzá



Na verdade, não é Quarteto Ganzá, são amigos bastante queridos que me acompanharam em dois eventos: tocar no Centro cultural Jabuticaqui e tocar no recital particular pro Antonio Nóbrega. Interpretamos minhas composições.

Carla Raiza: violino
Guilherme Bonfim: Viola
Aguinaldo Gomes: Sax
Di ganzá: Vioão e Violibeca

Treme Terra - Cultura de Resistência



Treme Terra é um grupo de música e dança, contextualizado na difusão dos ritmos e manifestações da diáspora africana e seu desenvolvimento no Brasil. Uma linguagem poética que revela imagens e sentimentos de uma cultura ancestral permeada de preconceitos internalizados na sociedade moderna. O Treme Terra traz ao palco um espetáculo sociocultural que valoriza a construção coletiva como resgate da expressão artística do jovem e sua autorepresentação. Tambores e instrumentos convencionais são combinados a sons extraídos de materiais reaproveitados e percussão corporal que contracenam com movimentações de dança, formando uma releitura contemporânea dos ritmos afro-brasileiros.

Acesse o site do Treme Terra

baixar Albúm no 4 shared

Duo Abanã - Yemanjá Otô




A canção Yemanjá Otô, tem o tema originado no candomblé Ketu; o compositor Marlos Nobre harmonizou e compôs a parte B com letra em português. Essa canção é parte de sua obra intitulada: Três Canções de Beiramar Opus 21, esse é o segundo movimento.

Marcelo Mafra fez a arte gráfica desse compacto;

Yemanjá Otô no Rapidshare

Hip Hop de Câmara



Hip Hop de Câmara é um projeto do meu irmão, o Educador e Mc "Panikinho", a ideia é misturar musica erudita com Rap... já nos apresentamos por ai algumas vezes;;;

Cia. Manacá das Artes



Cia Manacá das Artes, é um coletivo de muitos atores e muitos musicos, nucleo de arte e dramaturgia, esse povo todo se reuniu por conta do projeto CAT coordenado pela Cooperativa Paulista de teatro, estivemos juntos o ano de 2009 inteiro e o resultado foi uma bela obra de arte, o musical "Na terra da Cobra Grande", propondo olhares a respeito da cidade... Luís Marmora dirigiu esse povão todo...

8º quintasoito Negras Vozes



8º e derradeiro encontro do quintasoito de 2008. Homenageando a cultura Afro Brasileira, mês da consciência negra, negras vozes de Dirce Thomaz, Luan Luando e Duo Abanã.

Grupo Caleidoscópio - A vida mudada de um Bicho mutante



O Grupo faz parte da Cooperativa Paulista de Teatro e dedica-se a pesquisa do Teatro de Animação. Esta trajetória inicia-se em 1999 quando o ator João Bresser integra-se ao Grupo Sobrevento, adquirindo conhecimento e domínio nas diversas técnicas do Teatro de Animação. Com o objetivo de realizar novas pesquisas em temas inusitados, surge a necessidade de fundar o seu próprio núcleo, isto acontece em 2003, quando começa o processo de sua primeira criação.
O espetáculo "A vida mudada de um bicho mutante" utiliza a técnica do teatro de bonecos com música ao vivo.A dramaturgia foi inspirada na vida do bicho-da-seda, realizando uma metáfora poética com as transformações e realizações humanas. O espetáculo apresenta o dia-a-dia dos moradores de um jardim em cima de um barranco. Ao som de um violino surgem flores, borboletas, beija-flor e uma abelha. Esse clima é interrompido com o surgimento de um grande ovo, que em seguida quebra-se e de lá nasce uma engraçada lagarta. Ela dança, come folhas, engorda em ritmo de Jazz e Rock in Roll. O menino Juca e Dona Tatu Bola se unirão e juntos tentarão salvar a lagarta de um grande perigo.

Direção geral: João Bresser
Música: Di ganzá
grupo cênico: João Bresser, Cássia Bila e Cristina Rasec

Acesse o site do Grupo Caleidoscópio

Coisa de Vó - Grupo pe de Moleque



O Grupo Pé de Moleque tem como preocupação resgatar as expressões culturais brasileiras, apresentando de maneira lúdica ao público infantil manifestações da cultura brasileira, em especial a afro-brasileira
O grupo nasceu a partir de um trabalho criado para ser apresentado nas comemorações do mês da consciência negra, em Novembro de 2007.
"Coisa de Vó", primeiro espetáculo do grupo, estreou em Junho de 2009, no Teatro Martins Penna, em São Paulo e segue temporada no ÁGORA Teatro.

Grupo Pé de Moleque:
Bruno Gavranic
Di ganzá
Felipe Candido
Jane Fernandes
Mawusi Tulani
Nilcéia Vicente

COISA DE VÓ

de 11 de Outubro a 22 de Novembro
Domingos, às 11hs e às 16hs

ÁGORA Teatro
R: Rui Barbosa, 672, Bela Vista, São Paulo
Tel: 3284-0290

Ensaio Sobre Carolina



ENSAIO SOBRE CAROLINA no Teatro Imprensa

Grupo formado por atores negros da EAD leva para o palco história
da catadora de papel (Carolina Maria de Jesus) que gerou livro e causou comoção pública quando lançado.
O preconceito e as desigualdades das relações são tratados com elementos do teatro, dança e cultura afro


Direção – José Fernando de Azevedo.
Elenco - Gal Quaresma, Lucélia Sérgio, Mawusi Tulani e Sidney Santiago.
Músico - Giovanni Di ganzá
Preparação Corporal - Lívia Guerra.
Preparação Vocal - Ana Gilli.
Figurino - Os Crespos.
Iluminação - Denílson Marques e José Fernando de Azevedo.
Censura – 14 Anos.
Duração – 100 minutos.